23 março, 2020

A Peste

DR. CLAUDIO COSTA

CRMMG 9426

Rua Herculano de Freitas, 58 s/408

30441-039 - Belo Horizonte-MG

(31) 3291-9878 – (31) 99176-7596

e-mail: clcosta.costa@gmail.com

_____________________________________________________________________________

 

A PESTE

"Peste!" é um xingamento ofensivo dirigido a pessoa incômoda ou, até mesmo, a uma criança travessa: "Aquele menino é uma peste!" 

Mas, aqui, refiro-me a "A Peste", um dos livros mais famosos de Albert Camus (1913-1957), prêmio Nobel de Literatura, no qual se descreve uma situação extrema de medo, angústia, agressividade, destruição, pânico, isolamento e violência que tomou conta dos habitantes de Oran. Trata-se de obra de ficção, na qual os impulsos humanos de todos os matizes se manifestam diante do reaparecimento da peste bubônica.

À lembrança do texto de Camus acrescento uma brevíssima visita aos diversos sintomas psiquiátricos/psíquicos que atormentam o ser humano, marcados que somos pelo mal-estar vivenciado com aconsciência de existir tão precariamente diante da magnitude dos desafios à sobrevivência. Freud atribui este mal-estar a alguns fatores: consciência da morteda fragilidade diante das intempéries e a convivência com o outro. Esses fatores apontam para o sofrimento psíquico e do próprio corpo. Os sistemas de defesa ou adaptação instantânea às ameaças reais ou supostas produzem mais adrenalina e cortisoque são, simplificadamente, hormônios secretados para enfrentar o perigo, reações de luta e fuga, como se diz.

Entretanto, há comportamentos de massa que tornam mais explícitos e incontroláveis os sentimentos de pavor e o pânico pode fazer eclodir mecanismos mais primitivos em busca da sobrevivência: desconhecimento da realidade do outro, ações tipo "salve-se quem puder", compras desmedidas, sabotagens, aproveitamento do estado de necessidade e exploração do outro... tudo isso compõe um cenário apocalíptico. É claro que há pessoas com autocontrole e solidariedade, contrapondo-se à histeria coletiva e egocentrismo exacerbado. 

Ameaças e perigos são mesmo o cotidiano do viver: "Viver é muito perigoso... Porque aprender a viver é que é o viver mesmo... Travessia perigosa, mas é a da vida", refletia mineiramente João Guimarães Rosa. Eis que, agora, estamos novamente sob tormenta, nominada tecnicamente como pandemia do COVID-19.

Ao psiquiatra cabem ações importantíssimas nesses tempos de estresse global, pois existem grupos de risco para transtornos psiquiátricos que podem ser graves: pessoas com personalidade ansiosa, dependentes, histriônicas, obsessivo-compulsivas e hipocondríacas facilmente podem resvalar para crises de pânico, transtorno de estresse agudo e pós-traumático. O papel do psiquiatra, além de cuidar de si mesmo será, primariamente, orientar e instruir os pacientes, fornecendo informações consistentes e comprovadamente científicas. Para aqueles que entrarem em crise haverá recursos psicológicos e farmacológicos adequados, pois é este mesmo o campo de ação da Psiquiatria.

"Viver é muito perigoso... Porque aprender a viver é que é o viver mesmo... Travessia perigosa, mas é a da vida.'' (João Guimarães Rosa)

#covid-19 #coronavirus #pandemia

--
Dr. Cláudio Costa

30 setembro, 2018

Pós Graduandos em Psiquiatria

Com muita alegria, mais um fim de semana de muita realização com a Turma DF 03. #ipemed #psychiatry




Enviado do meu iPhone

29 setembro, 2018

Salvador-BA

Crescente

Lua

Serra do Caraça-MG

A grande cara!

Belo Horizonte/MG

Viaduto Sta. Tereza

Iris

Flower: Iris

Nova Era-MG

Igreja de São José

Alta Vila, Nova Lima-MG

Torre de TV

Brasília-DF

Torre de TV

Brasília-DF

02 março, 2018

01 março, 2018

Transtorno do Espectro Autista - TEA // AUTISMO

Entrevista na TV Minas (Rede Minas), programa Opinião Minas, em 01/3/2018

https://youtu.be/SLS7rr1HjCw