16 abril, 2007

Oficina sonora

Nosso filho Angelo & sua Renatinha convidaram-nos, a mim e à Amélia, para assistirmos ao show de lançamento do DVD do grupo Uakti [este link é espetacular: você pode escutar amostras do som do Uakti, conhecer sua história e descrição de cada instrumento].

Em 1981, antes mesmo que o Ângelo tivesse nascido, comprei o primeiro disco
"Oficina Instrumental" (olhaí a foto da capa): um long-play de vinil, que guardo até hoje. Impressionou-me o som "doido demais", extraído de tubos de pvc, alguns com água em vários níveis, instrumentos inventados e fabricados pelo fundador/inspirador Marco Antônio Guimarães.

Pois sexta-feira estivemos lá no Palácio das Artes e, mais uma vez, aquele mesmo som que nos surpreende sem agredir, que nos encanta pelo inusitado, que nos enleva pela arte.

No comentário publicado hoje no EM, Eduardo Girão diz:
Quem assistir ao DVD encontrará repertório igual ao apresentado, composto por músicas de discos como Trilobyte, Clássicos, 21, Oiapok Xui e Mapa. Algumas pequenas variações serão percebidas – uma nota aqui, outra ali –, mas nada que desmereça a atuação ao vivo. No palco, decorado com o mesmo cenário, o Uakti encontrou brechas para improvisos em meio à lógica minimalista que tanto se faz presente no trabalho instrumental do grupo. Certos desvios são sempre bem-vindos.

Vai aqui minha recomendação: o DVD é nota mil. Vale o cinquentinha que estão pedindo por ele.

Nenhum comentário: