29 janeiro, 2009

O ENTRUDO DAS PALAVRAS


As palavras agarram-se às coisas e ao tempo
Vêm de tão longe carregadas de vida e de sentido
Que só se deixam conhecer por música.
Escrever é pôr uma máscara que as esconde
E as deixa a dormir esperando quem as diga.

Há palavras com as asas do sentido cortadas
E quando as dizemos não somos capazes de voar
Nem nós as entendemos
Porque andamos com elas no bolso
Como cachico de vida que ficou agarrado ao retrato.

As palavras têm bilhete de identidade
E certidão de nascimento
Há que entrar em casa delas uma por uma
Descobrir o que têm dentro
E estendê-las à janela como mantas em manhã de S. João.

Poema de Fracisco Niebro Original escrito em língua mirandesa Tradução de João Ferreira
(Do livro Cebadeiros, da autoria de Fracisco Niebro.
Porto: Campo das Letras, 2002)

Nenhum comentário: