18 abril, 2009

Acabou-se o pão-de-queijo?

Na década de 80, quem tomava a Avenida Amazonas, em busca da saída oeste (Triângulo Mineiro) e sudoeste (São Paulo) atravessava a Cidade Industrial (Contagem). De olhos fechados, a qualquer hora, sabíamos a localização exata da Fábrica Cardoso, depois Aymoré, pois o aroma exalado dos fornos que tostavam os famosos biscoitos 'perfumava' tudo, penetrava nos ônibus e nos trazia água na boca. É verdade que, dependendo da direção do vento, outros aromas menos nobres nos provocavam reações de mal-estar, pois havia os curtumes e algumas empresas químicas poluentes, antes das exigências de filtros e controle ambiental.
Era orgulho bobo de mineiro falar para todo o mundo que era "nossa" uma das maiores fábricas de biscoitos do Brasil, da mesma forma que logo acrescentávamos uma informação: ali também se produzia a famosa Cocada Baiana Aymoré, aquela queimadinha acondicionada em lata, sobremesa irresistível. O coco podia ser da Bahia, mas melhor cocada era mineira! (Afinal, somos mesmo bairristas, tal como os gaúchos, os cearenses, os outros todos... ).
Hoje, a Aymoré pertence ao Grupo Arcor e Danone, nada tem de mineiro, o tempo levou...

Três Corações é cidade do sul de Minas, terra de Pelé, e nome de uma das dez mais famosas marcas de café de Minas Gerais, o Café Três Corações. Aqui pertinho de BH, em Santa Luzia, há uma enorme fábrica do Café Três Corações que, tal como a Biscoitos Cardoso, exala um aroma delicioso de café torrado e moído na hora. Talvez os moradores de seu entorno nem o sintam mais ou dele estejam enjoados, mas pra quem trafega raramente pelo trecho sabe pelo cheiro que a fábrica se aproxima, está logo ali.

Mais orgulho besta de mineiro: o Três Corações é nosso. Pois não é não: desde dezembro de 2000, a empresa passou a fazer parte do Grupo Strauss-Elite e em dezembro de 2005, a Strauss anunciou uma joint venture através da qual, juntamente com a Santa Clara, segunda maior empresa de café no Brasil, constitui uma nova empresa no Brasil: a Santa Clara Participações , com sede em Eusébio (Região Metropolitana de Fortaleza), no Ceará! A globalização, mais uma vez, se abateu sobre 'coisa nossa'.


Ah, mas pão-de-queijo ninguém tasca, é coisa de mineiro sim, uai! Também acreditava nisso, pelo menos até descobrir que a maior parte do queijo utilizado na marca mais famosa dessas plagas vinha da Austrália! Segundo os fabricantes (e isso há alguns anos, eles dizem), o queijo australiano teria mais padrão, mais sabor, menos contaminação, mais padronização e... melhor preço que o queijim mineiro. Mas Forno de Minas é a marca mais famosa do Brasil e é produzida aqui mesmo, em Contagem. Tá bom, não é nossa, é da General Mills, uma das maiores empresas de alimentos do planeta, dona da marca desde 2001:

Em 2001, a General Mills comprou as marcas Forno de Minas e Frescarini por meio da aquisição da Pillsbury Company. No Brasil, possui matriz em São Paulo e seis filiais espalhadas pelo país. As marcas que fazem parte do portfólio são Häagen-Dazs, da divisão de sorvetes super premium, e Nature Valley, divisão de barra de cereais. Mas a receita é nossa, criada pela Dalva Mendonça, responsável pela receita de sucesso do pão de queijo que é fabricado pela Pillsbury, ainda ali em Contagem, com queijo da Austrália.
Pois não existe mais! Acabou-se! Leia aí o press release da General Mills, datado de ontem, sexta-feira, a informar o fechamento da Forno de Minas:
"Aproximadamente 500 funcionários serão afetados pela decisão, inclusive os funcionários da unidade de produção localizada em Contagem, Minas Gerais. A companhia está oferecendo amplo pacote de benefícios e outros serviços para todos os funcionários afetados. Isso nos permitirá aumentar os investimentos em nosso principal foco, incluindo a expansão dos nossos negócios voltados para linha de sorvetes premium Häagen-Dazs e para as barras de cereais Nature Valley,” explica Pablo Pla, diretor geral da General Mills Brasil."

Acabou-se o pão-de-queijo?
É claro que não! Onde já se viu viver sem pão-de-queijo? Pode-se acabar a Forno de Minas, pode-se levar o 3Corações embora, compremos Cocada Baiana Aymoré dos grincos mas estas iguarias estão em nossa memória gustativa, olfativa e afetiva.
Aqui em casa, por exemplo, a Amélia é mestra em muitas coisas, até psicóloga ela é! E sabe fazer o melhor pão-de-queijo do mundo:

Pois então, sinta-se convidado: venha degustar do "verdadeiro' pão-de-queijo, elaborado de acordo com a tradição, porém com o upgrade caseiro aqui da Amélia.

Nenhum comentário: