20 dezembro, 2005

Renovar a frota, eis a questão!


Neste mês de dezembro, mais do que a azáfama natalina (comprar o quê para quem?) provocada pelo transformação do Natal em período áureo do capitalismo, estamos às voltas com nosso projeto de trocar de carro, uma vez que a "frota" familiar está caindo pelas tabelas:

- "Batendo biela", "entortando a rebimboca da parafuseta", "queimando óleo", "dando tilt", "resfolegando no morro e despencando nas ladeiras", "chacoalhando que nem caminhão de galinhas", eis o arsenal descritivo que resume a situação.

Antes de tomar decisão tão grave, fui lá eu pesquisar "qual o melhor carro que se encaixa no meu saldo bancário atual (devedor!) e pelos próximos 48 meses" (ou seja, comprar é possível, desde que seja até perder as vistas...).

Descobri uma pesquisa feita pelo
Rafael Porto, publicitário, professor ddo Depto. de Publicidade da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília:



Eis aqui o resumo da tese:

Carros Compactos: unanimidade entre pessoas que valorizam desafios. Em sua maioria, são jovens estimulados pela novidade.
[Este é o meu caso, vou atrás de um compacto!]

Utilitários/Esportivos: carros esportivos e jipes preferidos por mulheres jovens, que valorizam a boa saúde física e mental.
["Compra uma Cherokee, compra!", suplicam Amélia e Ana Letícia...]

Sedans: escolha das pessoas que prezam pelo poder e pelo bem-estar da família. Querem ter status social e domínio sobre os indivíduos.
[Prezar o bem estar da família, eu garanto que sim! Agora, domínio sobre os indivíduos só depois de dominar a mim mesmo. O que está loooonge de acontecer!]

Minivans: objeto de desejo de quem tem valores de autodeterminação, que busca liberdade e conforto.
[Eu, eu mesmo!]

Picapes: escolha natural de pessoas que acreditam na realização pessoal e se empenham na busca do que querem.
[Risca tudo o que escrevi acima, eu quero é uma picape!]

Li, reli, tresli.

Meu perfil psicológico encaixa-se em todos os subtipos descritos. Descubro, atarantado, que sou polivalente, multifacetado, megalomaníaco, sugestionável por qualquer propaganda...

Sugiro que se inclua, como fator preditor determinante, a conta bancária do sonhador e sua capacidade de endividamento.
Neste quesito, estou entre o
sonhador delirante e o realista desesperado.

E você?

Nenhum comentário: