26 julho, 2006

Obsolescência

Obsolescência: 1 processo de tornar-se obsoleto 2 condição do que está próximo de se tornar obsoleto 3 diminuição da vida útil e do valor de um bem, devido não a desgaste causado pelo uso, mas ao progresso técnico ou ao surgimento de produtos novos ¤ etim. obsolesc(ente) + -ência ¤ sin/var obsolescimento.

A definição está no Houaiss - ainda não afetado pelo obsolescimento, acho - e se aplica a tudo nesse mundo.

A expressão me vem à mente ao tomar conhecimento de que, na próxima Inforuso - feira de informática em BH - haverá um Museu de Informática e Tecnologia.

Entre as atrações está também o Museu de Informática e Tecnologia da Informação dos ex-alunos da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). O museu propõe uma viagem pela evolução tecnológica de vários equipamentos de informática, som, imagem e telefonia. O público poderá conferir computadores analógicos da década de 50, gramofones de 1870 que reproduzem o som por meio da rotação de um cilindro, câmeras fotográficas, filmadoras e telefones antigos até os mais atuais.

Pois, outro dia mesmo se inventaram os computadores e toda a parafenália cibernética e já viraram matéria de memória! Avanços foram tantos que rapidamente viraram sucata aquelas maravilhosas máquinas, rapidamente suplantadas por outras e mais outras, cada qual mais poderosa, mais rápida, mais portátil, mais barata.

O mundo anda mesmo muitíssimo mais rápido do que pode acompanhar nossa vã correria: por mais que nos esforcemos, jamais estaremos up-to-date o suficiente para dizer: tenho o último modelo, tenho o top de linha, alcancei o state of art em hardware! Pela profusão de expressões em inglês, nem nossa própria língua portuguesa dá conta de expressar os nomes das novas máquinas!

Pelo menos uma exposição na feira poderá nos fazer parar um pouco e refletir sobre a fugacidade das coisas, a incessante corrente que avança e suplanta "tudo o que a antiga musa canta!"

Os museus constituem uma instituição duradoura e viva, cujo acervo se enriquece a cada tempo, buscando conservar a memória, a história e, quiçá, algum ensinamento.

Mas não, o tal Museu da Inforuso é provisório como as coisas que terá em exposição, e vai durar apenas os dias da feira (02 a 06 de agosto).

Enfim, é a vida. O moderno de hoje será a sucata de amanhã. Ou de daqui a alguns minutos?

Nenhum comentário: