13 janeiro, 2006

ASSIM FALOU SOFOCLETO:

  1. A liberdade consiste em não usar relógio.
  2. As melhores coisas sobre a liberdade têm sido escritas no cárcere.
  3. É preciso ser louco para se pôr nas mãos de um psiquiatra.
  4. Muitos escritores esgotam-se antes dos seus livros.
  5. O açúcar é o sal da vida.
  6. O homem criou o espelho à sua imagem e semelhança.
  7. O mundo está dividido entre os de mais e os de menos.
  8. Os aniversários são o aluguel que pagamos pela vida.
  9. Os imbecis deixam suas impressões digitais no que dizem.
  10. Para compreender os pais, é preciso ter filhos.
  11. A mediocridade é a arte de não ter inimigos.
  12. Quando a gente se apaixona pensa em tudo menos no que está pensando.
  13. Não há nada tão difícil como ler o pensamento de um analfabeto.
  14. Ousar é tropeçar momentaneamente, não ousar é se perder.
  15. Os biógrafos e os abutres alimentam-se de cadáveres


    [Luis Felipe Angell, pseudônimo: Sofocleto (Peruano, 1926- 2004).
    Autor de “La tierra prometida”.
    Escreveu artigos de caráter humorístico e satírico nos jornais de Lima, compilados em suas obras: "Sinlogismos"(1955), “Sofonetos” e “Al pie de la letra”(1960) e “Diccionario chino"(1969).]
Essas frases lembraram-me Millor Fernandes, que é mais do que humorista, quase filósofo "marginal".
Saber manejar palavras e sintetizar uma idéia complexa em uma única sentença, para mim, é uma arte.
Arte pras cabeças.
A gente pode rir, mas pensa.
Às vezes começamos com um sorriso e terminamos com um travo meio amargo.

Diante do trágico da vida, rir é preciso, chorar não é preciso.

Nenhum comentário: