03 fevereiro, 2007

Big Brother na TV Muro

Há 25km de Belo Horizonte, encontramos a cidade de Sabará. Foi importante na época da extração do ouro, tendo sido 'descoberta' pelo bandeirante Borba Gato. Atualmente, é referência na culinária mineira, com as iguarias preparadas com uma folhagem denominada 'ora-pro-nobis'.

Mas o assunto é outro. Transcrevo a reportagem do Estado de Minas:

Vestindo roupa nova, que ele garante ter sido confeccionada especialmente para a estréia do programa, Francisco Dário Santos, que agora é Chiquinho Mial (foto ao lado), abriu ontem à noite as transmissões do Muro Brother Brasil. Para garantir o sucesso da nova atração da TV Muro, ele espalhou câmeras pela casa onde vive com a mãe, Maria da Piedade, e convocou parentes, amigos da família e até o cachorro para entrarem no confinamento noturno – durante o dia, cada um tem de cuidar da sua vida.

Ontem pela manhã ele já havia percorrido a vizinhança divulgando o programa. Enquanto, no Big Brother da Globo, Pedro Bial convoca os telespectadores a darem uma “espiadinha”, Chiquinho Mial convida os “murospectadores” de Sabará, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a darem “uma olhadinha no buraco do portão”. E Chiquinho avisa: enquanto o BBB 7 estiver no ar, a segunda edição do Muro Brother também será transmitida.

Os participantes da atração são Jorge Luís (editor da TV Muro), Thâmer Pimentel, Fabrícia Rodrigues, Jucélia Batista e as crianças Thayná, de 11 anos, Taís, de 8, e Sandy, de 7, além do cachorro Duque, vencedor da primeira edição do reality show, no ano passado. Dona Maria da Piedade também participa e, aliás, é ela quem decide quase tudo no Muro Brother. Aos 68 anos, a mãe de Chiquinho é a pessoa mais velha da casa e, por isso, é também a mais importante (quanta diferença para o Big Brother da Globo, não?). É ela quem resolve, por exemplo, quem é o “guardião”, que tem imunidade no “murão” – o paredão do Muro Brother. As crianças também têm prioridades: “Elas só podem ser eliminadas depois do terceiro murão”, explica Chiquinho.


As câmeras posicionadas na sala, na cozinha, no quarto que serve de estúdio para a TV Muro, no quarto de dormir e em frente ao banheiro foram todas doadas por pessoas que acreditam no sonho de Chiquinho e querem torná-lo mais real. Mas o grande patrocinador do Muro Brother é a fábrica de chupe-chupe de dona Maria da Piedade.

Há ainda uma sexta câmera, instalada junto ao telhado, com o foco virado para a rua, que Chiquinho chama de “câmera do povo”. É por meio dela que os “murospectadores” se comunicam com os confinados e até se vêem, fazendo festa e torcida pelos seus preferidos, na tela de um aparelho de TV posicionado em cima do muro da casa de Chiquinho. Na hora de votar, o público faz fila no portão. Explica-se: é que não há votação por telefone, mensagem de celular ou internet. Para cada candidato emparedado – ou seria “emurado”? –, é necessário dar um determinado número de batidas no portão da casa. O bike link – link de TV montado numa bicicleta que Chiquinho conduz pela cidade para entrevistar os conterrâneos – também ajuda a dar o termômetro da audiência pelas ruas de Sabará. “É como o De olho no Big Brother”, Jorge Luís compara.

O confessionário do Muro Brother é o banheiro. A câmera instalada em frente a esse cômodo foca os brothers que, sentados sobre o vaso sanitário, votam nos companheiros que devem ir para o paredão, ou melhor, murão. Mas ninguém é filmado enquanto usa o banheiro: a câmera fica do lado de fora e basta fechar a porta para que não se veja nada lá dentro. Triângulos amorosos, bebedeira e todas aquelas frivolidades do Big Brother também não estão na pauta. Dona Maria da Piedade é quem dita as regras por lá, se lembram? Mas quem acha que isso torna o programa morno, está muito enganado. Não vai faltar assombração para movimentar a atração. “Esta casa já foi uma fábrica de caixões”, Chiquinho avisa. “E vai ter muitos fantasmas aqui durante o Muro Brother, inclusive a ‘mulher do algodão’, que vai sair de dentro do banheiro.”


______________________
Créditos:
Reportagem:Daniela Mata Machado.
Foto do "Chiquinho Mial": Cristina Horta

Nenhum comentário: